Presidente Prudente já passa de 3.200 casos de dengue neste ano

pp-foto1

Link para o G1 regional

A contagem só faz aumentar, assim como o número  de suspeita de óbito. E ainda falta março, abril e maio…

The 50 Most Influential Physicians in History, Part 2: #35-#21

Conforme previamente prometido, aqui vai a 2ª parte desta série do medscape. Com brasileiro na lista (e na minha modesta opinião, um grande injustiçado do prêmio Nobel de Medicina).

From transplantation to neurosurgery, Helicobacter pylori to kwashiorkor, pediatrics to psychiatry, and plenty of Nobel Prizes, our examination of history’s leading physicians continues.

Fonte: The 50 Most Influential Physicians in History, Part 2: #35-#21

Jornal Nacional (via PromedMail) – Sífilis na gestação sobe de quase 8 mil para mais de 28 mil casos

No Brasil, já são mais de 900 mil casos por ano. Neurologista diz que doença na gestação pode provocar microcefalia.

Fonte: Jornal Nacional – Sífilis na gestação sobe de quase 8 mil para mais de 28 mil casos

Já postamos neste blog algumas vezes sobre esse assunto. Aproveito para compartilhar o comentário do editor do PromedMail, Dr. Rodrigo Bauru Angerami:

Preocupante, sim. Embora nada de novo…

Possivelmente uma associação de diversos fatores, dentre os quais se
incluiriam a falta de políticas/ações de prevenção mais efetivas,
falhas na detecção e/ou tratamento precoces do binômio
caso/parceiro(a), falha no diagnóstico e/ou tratamento de gestantes
durante o pré-natal e, não se pode descartar, a indisponibilidade,
por um longo período, da penicilina nas apresentações benzatina e
cristalina.

Enquanto poder público e mídia, diariamente, atualizam os números
(muito dos quais, possivelmente superestimados) de microcefalia ainda
não confirmados como associados ao vírus Zika, nos últimos anos
(ver abaixo) o número de casos confirmados (e certamente subestimado)
de sífilis congênita não parecem causar (em grau minimamente
comparável ao que se observa em relação ao Zika) preocupação à
população, incômodo profissionais de saúde e vergonha às três
esferas do poder público.

Milhões vêm sendo empregados para o desenvolvimento/aquisição de
testes moleculares para detecção do Zika. Centenas de reais vêm
sendo cobrados em laboratórios privados para o diagnóstico da
infecção pelo vírus “debutante”. Enquanto isso, os bons, antigos,
baratos e acessíveis testes para diagnóstico da “anciã” sífilis
estão amplamente distribuídos mas parecem não estar sendo
utilizados como deveriam: para a triagem ampliada, diagnóstico ágil
e acessível de casos suspeitos, investigação de parceiros.

Pior. Outros muitos mais milhões de reais vêm sendo anunciados para
o desenvolvimento de vacinas candidatas e soro anti-Zika (!) para
tratamento de gestantes (!). Enquanto isso, além da falta de
abastecimento de uma lista composta por vários imunobiológicos
(incluindo-se vacinas contra hepatite B para recém-nascidos e soro
anti contra o letal vírus rábico), há uma escassez da quase
“octogenária” (e extremamente barata!) penicilina.

O controle e eliminação de doenças negligenciadas (dentre as quais
a sífilis congênita) que já se mostravam objetivos pouco tangíveis
frente aos problemas, desigualdades e paradoxos já existentes (e bem
conhecidos), agora, ficam ainda menos exequíveis (e mais
negligenciados) com a emergência do Zika e companhia, que além de
receberem quase todas as atenções e causarem (o previsível) temor
frente ao desconhecido, canalizam enormes esforços e vultosos
investimentos, muitos dos quais motivados por interesses diversos
(científicos, econômicos e ,por que não, políticos)…

Sobre os números: muito preocupantes, mas, antes de tudo,
vergonhosos.

Dengue: Treinamento rápido em serviço de saúde

imagedengue15_treinamento_rapido_medicos

Na sequência do post anterior, compartilhamos este material do CVE-SP que possibilita treinar a equipe de saúde em 15 min, com os principais passos do protocolo de manejo da dengue.

Diretrizes para a organização dos serviços de atenção à saude em situação de aumento de casos de Dengue

enfrentamento dengue

Ontem em Presidente Prudente ocorreu uma reunião para discutir um plano de enfrentamento local em resposta à pior epidemia de Dengue já vivida em Presidente Prudente, com foco em redução de letalidade e melhora do acolhimento dos pacientes com suspeita da doença pelos vários agentes que compõem a rede de assistência pública e privada da cidade.

Este encontro foi capitaneado pelo Prof. Dr. Marcos Boulos, Coordenador da CCD-SP, e contou com a presença de várias autoridades Municipais, Regionais e Estaduais  da área da saúde, além de representantes do próprio MS, com grande público presente, todos profissionais afins ao tema em discussão.

O enfrentamento desta situação, inédita em nossa cidade, já foi realizado por inúmeros outros municípios em epidemias anteriores e há um vasto “know-how” adquirido com essa experiencia. Para embasar a implantação deste plano de enfrentamento  o Ministério da Saúde disponibiliza on-line documentos que dão as diretrizes principais e facilitam o trabalho dos gestores municipais nesta tarefa.

Até o presente momento não há notícia que a Secretaria Municipal da Saúde tenha finalmente se decidido em tomar a iniciativa de por em prática este projeto, mas esperamos ansiosamente que não se delongue muito.

Disponibilizo aos leitores do blog o link do PDF do plano de enfrentamento do MS.

acesse o documento do Ministério da Saúde aqui

1928, A Descoberta da Penicilina – Testemunha da História – YouTube

Hoje na visita da enfermaria acabamos falando de Alexander Fleming e a descoberta “por acaso” da penicilina. Para ilustrar este tema posto um vídeo do YouTube sobre este episódio.