Pulmonary embolism in COVID-19 patients: a French multicentre cohort study


https://academic.oup.com/eurheartj/article/doi/10.1093/eurheartj/ehaa500/5870571

Conclusão
Os fatores de risco para EP no contexto COVID-19 não incluem fatores de risco tromboembólicos tradicionais, mas sim achados clínicos e biológicos independentes na admissão, incluindo uma importante contribuição para a inflamação.

Genomewide Association Study of Severe Covid-19 with Respiratory Failure – NEJM

Nesta coorte, uma análise específica do grupo sanguíneo mostrou um risco maior no grupo sanguíneo A do que em outros grupos sanguíneos (odds ratio 1,45; IC95%, 1,20 a 1,75; P = 1,48 × 10−4) e efeito protetor no grupo sanguíneo O em comparação com outros grupos sanguíneos (odds ratio, 0,65; IC 95%, 0,53 a 0,79; P = 1,06 × 10-5).

Natural History of Asymptomatic SARS-CoV-2 Infection | NEJM


Correspondence from The New England Journal of Medicine — Natural History of Asymptomatic SARS-CoV-2 Infection

Fonte: Natural History of Asymptomatic SARS-CoV-2 Infection | NEJM

Nesta coorte, a maioria das pessoas assintomáticas infectadas permaneceu assintomática durante o curso da infecção. O tempo para a resolução da infecção aumentou com o aumento da  idade.

A chance de se tornar sintomático também aumenta com a idade, na proporção média de 1% para cada ano a mais.

Hidroxicloroquina ou cloroquina com ou sem macrolídeo para tratamento de COVID-19: uma análise de registro multinacional – The Lancet

Não foi possível confirmar um benefício da hidroxicloroquina ou cloroquina, quando usada isoladamente ou com um macrólido, nos resultados hospitalares do COVID-19. Cada um desses regimes terapêuticos foi associado à diminuição da sobrevida hospitalar e ao aumento da frequência de arritmias ventriculares quando utilizado no tratamento do COVID-19.

Fonte: Hydroxychloroquine or chloroquine with or without a macrolide for treatment of COVID-19: a multinational registry analysis – The Lancet

 

Large-Vessel Stroke as a Presenting Feature of Covid-19 in the Young | NEJM


Correspondence from The New England Journal of Medicine — Large-Vessel Stroke as a Presenting Feature of Covid-19 in the Young

Fonte: Large-Vessel Stroke as a Presenting Feature of Covid-19 in the Young | NEJM

Effective treatment of severe COVID-19 patients with tocilizumab

https://www.pnas.org/content/pnas/early/2020/04/27/2005615117.full.pdf

icance
Em pacientes com doença de coronavírus 2019, um grande número de linfócitos T e macrófagos mononucleares são ativados, produzindo citocinas como a interleucina-6 (IL-6), que se ligam ao receptor de IL-6 nas células-alvo, causando a tempestade de citocinas e respostas inflamatórias graves nos pulmões e outros tecidos e órgãos. O tocilizumabe, como anticorpo monoclonal humanizado recombinante anti-receptor de IL-6, pode se ligar ao receptor de IL-6 com alta afinidade, impedindo a ligação da própria IL-6 ao receptor, tornando-o incapaz de causar danos ao alvo. células e aliviando as respostas inflamatórias.

Evaluating the Effectiveness of Social Distancing Interventions to Delay or Flatten the Epidemic Curve of Coronavirus Disease


Fonte: Evaluating the Effectiveness of Social Distancing Interventions to Delay or Flatten the Epidemic Curve of Coronavirus Disease

Compassionate Use of Remdesivir for Patients with Severe Covid-19 – NEJM

https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2007016

Nesta coorte de pacientes hospitalizados por Covid-19 grave, tratados com remdesivir de uso compassivo, houve melhora clínica em 36 dos 53 pacientes (68%). A medição da eficácia exigirá estudos randomizados em andamento, controlados por placebo, da terapia com remdesivir.

ICNARC report on COVID-19 in critical care27 March 2020

Estudo chatinho de ler, mas que compara a evolução dos casos de COVID com as de outras infecções virais respiratória de anos recentes-principalmente H1N1, em pacientes com indicação de UTI na Inglaterra. Para qualquer grupo, mesmo os não vulneráveis, as chances de morrer beiram ao dobro no COVID. Em media, pelo que entendi, metade dos pacientes tratados em UTI morreram.

Medidas de contenção da propagação da covid-19 levam de 8 a 11 dias para terem efeito 

Um estudo de pesquisadores brasileiros mostra que a adoção de medidas de contenção da transmissão da covid-19 são sim efetivas para frear a curva de crescimento de casos da doença, mas o sucesso depende do tempo levado para que sejam adotadas

Fonte: Medidas de contenção da propagação da covid-19 levam de 8 a 11 dias para terem efeito – GGN