Mortalidade por infecção generalizada dobra em hospitais públicos – 08/10/2018 – Cotidiano – Folha

Um estudo inédito em 74 hospitais de todo o país mostra que a taxa de mortalidade de pacientes com sepse (infecção generalizada) nos prontos-socorros públicos é mais que o dobro da registrada nos privados (42,2% contra 17,7%). Vários fatores podem explicar essa diferença, entre eles a

Fonte: Mortalidade por infecção generalizada dobra em hospitais públicos – 08/10/2018 – Cotidiano – Folha

 Essas generalizações me incomodam. Como bem disse na reportagem o Prof. Marcos Boulos, há hospitais deficientes e de qualidade, tanto na rede pública quanto na privada.

Hydrocortisone plus Fludrocortisone for Adults with Septic Shock | NEJM

Original Article from The New England Journal of Medicine — Hydrocortisone plus Fludrocortisone for Adults with Septic Shock

Fonte: Hydrocortisone plus Fludrocortisone for Adults with Septic Shock | NEJM

E esse é o outro.

Adjunctive Glucocorticoid Therapy in Patients with Septic Shock | NEJM

Original Article from The New England Journal of Medicine — Adjunctive Glucocorticoid Therapy in Patients with Septic Shock

Fonte: Adjunctive Glucocorticoid Therapy in Patients with Septic Shock | NEJM

A última edição online da NEJM veio com dois artigos interessantes sobre o uso de corticosteróides em sépsis, com resultados não exatamente concordantes. Esse é um deles.

Estudos mostram evidência para se repensar o uso de solução salina

9F4054C9-FA09-44B5-89F2-214BEC6BCB63

Acesse o texto do Medscape em português aqui

Pacientes hospitalizados, críticos ou não, que recebem soluções cristaloides balanceadas têm chances 1% menores de precisar de terapia de reposição renal, apresentar disfunção renal persistente ou morrer no hospital do que pacientes que recebem solução salina, mostram dois novos estudos de referência.

UOL: Com letalidade de 55,7%, sepse é a doença que mais mata em UTIs no Brasil

uti

acesse a reportagem do UOL aqui

O Brasil tem uma taxa extremamente alta de morte por sepse em UTIs, superando até mortes por acidente vascular cerebral e infarto nessas unidades. Segundo levantamento organizado por pesquisadores da Unifesp.

O mal que mais mata nas UTIs brasileiras

Metade dos internados em instituições públicas e privadas com infecção generalizada morre. Por que o Brasil não consegue controlar a sepse?

Fonte: O mal que mais mata nas UTIs brasileiras