Epizotia de Febre Amarela na Região de S. J. do Rio Preto

imageAcesse a notícia do G1 aqui

Para os que não estão familiarizados: a vigilância de circulação do vírus da Febre Amarela em macacos é uma das pedras angulares do programa de controle da transmissão silvestre da doença.

Sempre que se encontra um macaco morto em alguma mata deve-se proceder a pesquisa dos sinais da doença na carcaça do animal. Se for confirmado (como nesse caso) sabe-se que há circulação do virus naquela localidade e, consequentemente, risco de transmissão da doença também para humanos.

Neste caso em particular o agravante é que a região em questão é frequentado como mo área de lazer e próxima à centros urbanos densamente povoados, aumentando não só o risco de casos em humanos, como também da urbanização da doença.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s